TIC na Educação

Você já ouviu falar em TIC? Se isso ainda não aconteceu, não se sinta frustrado, pois com certeza as TIC já fazem parte da sua vida mesmo sem você saber. TIC é a abreviação para o termo Tecnologias da Informação e da Comunicação. De forma a iniciar esse artigo sobre as TIC, primeiramente introduzirei o termo Tecnologia Educativa. 

O termo Tecnologia Educativa tem já alguma tradição no mundo anglo-saxônico. É um domínio da educação que teve suas origens nos anos 40 do século XX e foi desenvolvido por Skinner na década seguinte com o ensino programado (cf. Skinner, 1953, 1968). O termo não se limita aos recursos técnicos usados no ensino, mas a todos os processos de concepção, desenvolvimento e avaliação da aprendizagem. Em 1994, tendo em vista estabilizar a terminologia usada neste domínio, os termos Educational Technology e  Instructional Technology surgiram como sinônimos, referindo‑se “à teoria e prática do planejamento, desenvolvimento, utilização, gestão e avaliação dos processos e recursos da aprendizagem” (cit. Thompson, Simonson & Hargrave, 1996, p. 2).

Esta definição tem em conta o que é considerado o domínio da Tecnologia Educativa que engloba três subdomínios que vão influenciar o aluno e sua aprendizagem. São eles:

1) as funções de gestão educacional;

2) as funções de desenvolvimento educacional; e

3) os recursos de aprendizagem.

Percebe-se, que o termo Tecnologia Educativa encontra-se enraizado numa tradição anglo-saxônica que valoriza a instrução e é influenciada pela teorização produzida no âmbito da psicologia da aprendizagem, nomeadamente pelas teorias comportamentalistas e cognitivistas, e mais recentemente pelas teorias construtivistas. Outras das inspirações teóricas do domínio da Tecnologia Educativa são a Teoria dos Sistemas e a Teoria da Comunicação (cf. Thompson, Simonson & Hargrave, 1996).

O termo Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) refere‑se à conjugação da tecnologia  computacional ou informática com a tecnologia das telecomunicações e tem na Internet e mais particularmente na Worl Wide Web (WWW) a sua mais forte expressão. Quando estas tecnologias são usadas para fins educativos, nomeadamente para apoiar e melhorar a aprendizagem dos alunos e desenvolver ambientes de aprendizagem, podemos considerar as TIC como um subdomínio da Tecnologia Educativa.

Alguns autores preferem utilizar os termos Novas Tecnologias da Educação (NTE) e Novas Tecnologias da Informação e Comunicação (NTIC). Particularmente, ambos parecem‑me redundantes, pois a referência à novidade nada acrescenta à delimitação e clarificação do domínio. Mais ainda, o que é novo hoje deixa de o ser amanhã.

Iniciar esse texto sobre as TIC remete-me à questão da Literacia Informática. Tal termo pode ser definido como “o conjunto de conhecimentos, competências e atitudes em relação aos computadores que levam alguém a lidar com confiança com a tecnologia computacional na sua vida diária” (McInnerney, McInnerney & Marsh; Soloway, Turk & Wilay, apudTsai & Tsai, 2003, p. 48). Esta definição incluiu três termos que convém elucidar: primeiro, conhecimentos e competências sobre a tecnologia computacional; segundo atitudes positivas face a esta tecnologia; e terceiro ter confiança para usar os computadores sem grande ansiedade. Por isso, o objetivo da literacia informática deveria ser apoiar os professores e os estudantes a iniciar ou melhorar as suas competências e conhecimentos nesta área, desenvolver atitudes positivas face ao computador e à Internet e diminuir a ansiedade face ao seu uso e aprendizagem. Deveria ainda apoiar, principalmente os professores, a analisar criticamente a evolução das tecnologias e seus campos de aplicação.

Ao iniciar a questão da literacia informática, torna-se praticamente necessário discutir as diferentes gerações hipermidiáticas existentes. As chamadas gerações 0.0, 1.0 e 2.0. E essa questão, pela importância do assunto, fica para o próximo post.

Até lá! 🙂

Alexandra.

REFERÊNCIAS

SKINNER, B. F. (1968). The technology of teaching. New York: Appleton Century Crofts.

_________. (1953). Science and human behavior. New York: Macmillan.

THOMPSON, A. d.; SIMONSON M. R. & HARGRAVE, C. P. (1996). Educational Technology: A review of the research (2nd ed.). Washington, d. C.: Association for Educational Communications and Technology (AECT).

TSAI, M. &  TSAI, C. (2003). Students computer achievement, attitude, and anxiety: the role of learning strategies. Journal of Educational Computing Research, 28, 1, pp. 47‑61.

Anúncios

4 comentários sobre “TIC na Educação

  1. José Carlos Souza Jr

    Ótimo post introdutório, Alê. Espero ver muitos professores discutindo a questão das tecnologias e a escola contemporânea por aqui. Vamos fazer barulho, professores geeks! 😀

    1. Que bom que vc comentou, Zé! O post tem sido lido, mas ninguém comentava. Já estava frustrada! O próximo post será sobre as gerações 1.0 e 2.0 e aquela que, carinhosamente, chamo de geração “de cima do muro”. Será sobre minha fala no Simpósio da CEFET dessa sexta-feira (09/12). Espero que você goste! BTW, valeu pelo comentário! 😉

      1. Jose Carlos Souza Jr

        Alê, não se surpreenda com a falta de comentários. Afinal, seu blog tá só decolando e além disso, tem muita gente que vem, dá aquela stalkeada e se manda, sem deixar comentário, principalmente quando o assunto é um pouco mais espinhoso. Manda ver e deixa acontecer! 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s